Um dia, quem sabe

março 04, 2016


Um novo dia se inicia. Nas ruas encontram-se resquícios do ontem que passou como um furacão.
As pessoas vão saindo uma a uma de suas casas na certeza que terão um dia igual há tantos outros.
Enquanto os primeiros raios de sol apontam, a velha carroça para em cada trecho de rua. É uma chance da garantia de pão na mesa...
...  Não é apenas mais um dia.
A jovem senhora mexe nos sacos plásticos onde o seco e orgânico se misturam extravasando o caldo do chorume repleto de contaminação.
Seus pés nus queimam ao pisar no asfalto que vai aquecendo aos poucos. Bolhas e calos no lugar de um par de sapatos...
Os filhos brincam entre os sacos amontoados na velha carroça. A alegria é misturada com os recicláveis. Entre um corte no pé e um brinquedo quebrado a rota diária é realizada.
O animal de estimação é um cavalo: magro, descaído, doente e com fome. Não mais faminto do que aqueles que brincam perto de suas crinas e as embaraçam. O estômago avisa que precisa de alimento.
As pessoas que observam, olham com pena; mas continuam em suas janelas acumulando ainda mais lixo: resultado de suas vidas monótonas.
Mas alguém sabe ao menos o nome daquela senhora?
Todos veem o que parece ser e nem ao menos são o que eles próprios aparentam. Precisam de muito para si e possuem tão pouco...
Aquela mulher que acredita em uma nova chance a cada dia é pai e mãe, dona de casa, batalhadora e digna. Possui nome, sobrenome e identidade. E, além disso, sonhos, estes que já não são mais seus. Ela sonha com um futuro para os filhos, diferente do presente que vivencia...
Não precisa da pena de quem olha, mas tem compaixão destes, pois essas pessoas procuram o que ela já encontrou. Não nos sacos deteriorados, mas nos olhos de contentamento de seus filhos. Não nas migalhas deixadas pelos ricos, mas no prato de arroz com ovo que vai preparar daqui algumas horas.
A jovem senhora é feliz, pois não tem vergonha de ser quem é! Mas ainda almeja um dia que alguém possa chamá-la pelo nome enquanto seus filhos vão para a escola...

Você também pode gostar

0 Comentários

Like Us on Facebook

Youtube