O navegador

maio 08, 2015


Sou um navegador desses mares, sou aquele que enfrenta a tempestade.
Trago o que aprecio em ser belo, algo que alguém poderia receber...
Decidi pelos riscos e esquecer o passado, não posso voltar atrás, pois se volto não verei o que acontecerá no instante em que retrocedi...
O que me rege é a esperança de onde vou...
A bússola indica um norte na constância do sul.
Posso sentir as ondas apenas as observando...
Somo ao mar minhas lágrimas e sei que ele as levará para longe...
As ondas carregam meus pensamentos para alguma praia, talvez entenda isso com o passar dos anos.
O que mais me surpreende é o barulho das águas em meu navio...
Nas tardes ensolaradas as gaivotas me acompanham e à tarde o vento ensurdecedor tenta me amedrontar.
É preciso coragem para chegar onde queremos. Há tanto medo dentro de um coração, mas ainda existe perseverança e fé de que tudo está sob controle e isso faz sentido.
A lua me orienta nas noites e o sol me acalma de dia. Dias e fases que se encontram fazendo-me estar perto de algo desconhecido....
Posso ouvir as baleias cantarem as mais sonoras canções de amor para seus amados. Isso enobrece minha alma. Não tenho medo da solidão, apenas de estar só.
Estou indo ao encontro de algo misterioso.
Procuro um tesouro...
Poderia estar trancafiado no calabouço e estagnado entre os ratos onde deixei aquelas memórias sórdidas: maldade de quem um dia fui e me envergonho por disso. Mas não há tempo para lamentações...
O vento sopra as águas e meu coração se empalidece. 
Ouço o canto das sereias... Fantasia de minha ausência. É apenas mais uma onda que se choca nas pedras.
Não tenho náuseas mais e estou sórdido...
Seria estonteante me debater com o mais indestrutível iceberg, mas o que busco é algo tão importante quanto a minha vida...
Foi aí que encontrei o que poderia estar perdido... Acabou a rota.
Soltar âncora!
Sou um navegador que achou seu tesouro.
Encontrei o amor...

Você também pode gostar

0 Comentários

Like Us on Facebook

Youtube