Estrela

janeiro 16, 2015


Revelou-se como a mais sórdida confiança que eu pudera ter conquistado de alguém.
Vi o brilho que enobrecia sua beleza, e encantei-me desde o primeiro momento. Quiz saber quem era e com muito esforço sem que ela soubesse descobri seu nome. Era muito frágil para ser revelada.
E pela primeira vez chamei-a pelo nome, Estrela,como a mais brilhante de qualquer céu que eu já tinha visto até aquela noite.
Os dias eram imensos à espera de minha amada. E quanto mais o tempo passava mais ela se apagava. Não pra mim, pois não se ofusca o brilho de quem tem luz própria. Mas para o mundo.
Era a guia do meu universo encantado. Entre tantas, única! Meus olhos a acompanhavam misteriosamente...
Mas um dia a nuvem escura cercou-a com todo pudor e não a encontrei mais...
Tanto tempo contemplando-a e de repente a perdi.
-Estrela cadê você? Onde se escondeu?
Mas ela não ouviu...
A nuvem derramou gotas ácidas de sentimentos.
Senti em meu rosto os pingos atravessarem e foram atingindo a minha alma.
Escondeu-se em algum lugar, pois não a vejo mais...
Hoje as noites são serenas, não tristes.
Tenho comigo o brilho cultivado de pequenos instantes.
Contemplo o céu com a esperança de vê-la. Mesmo tendo a certeza do contrário.
Em algum lugar dentro de mim ela vive, reluzindo...
Não a verei, mas ela existe...

Você também pode gostar

0 Comentários

Like Us on Facebook

Youtube