Alma de poeta

março 11, 2014


Quando  o poeta se cala é porque está pensando... Pensando não se sabe em quê.
O silêncio do poeta é o fruto da obra...
Ele se esconde quando as palavras estão dispersas na mente, um poeta precisa de serenidade para encaixar sentimentos dentro de seus versos.
O poeta gosta de ficar só. Em sua solidão encontra todos os que ama, e  respira as rimas extraídas com sutileza de um amor incondicional.
Uma obra tardia é aquela que o poeta navega para encontrá-la. É o seu barco naufragando à procura do tesouro. Joias em forma de palavras que emergem para a superfície formando frases singelas.
O autor não escreve ao vento, mas com o vento; retira da brisa a calmaria para refrescar suas ideias. Ele é corajoso e pula do abismo se afogando em mares cheios de mistérios. São os monstros da cabeça humana invadindo a mais ousada estrofe da história.
O poeta não é somente um poeta... É observador, filósofo, naturalista, religioso e romântico... Ele não faz um poema sozinho, pois precisa de inspiração.
O que lhe dá entusiasmo não é o que ele vê, mas o que ele faz com o que vê. São as pessoas e os detalhes o combustível do seu coração.
O poeta sou eu, é você... Basta ser diferente e olhar além do horizonte e entender que um poema não é apenas uma obra, mas um conjunto de afetividades...
Um poeta não precisa de papel e caneta, pois um poema é feito da escrita dos sentimentos...

Você também pode gostar

0 Comentários

Like Us on Facebook

Youtube