Amor próprio

fevereiro 04, 2014

Imagem: Google
E foi um amor mútuo, ato recíproco da relevância das atitudes... Quanto mais ele se distanciava dela, ela percebia que o amor só aumentava.
E como os ursos no inverno ele deixou que sua paz descansasse e ela seguia como uma matilha em busca da caça. As presas: os objetivos, metas e projetos de sua autêntica vida.
Ela sobressaiu sobre suas próprias indagações e feriu o orgulho, enquanto ele entocava o coração demonstrando fragilidade.
Ela brincava de ser forte e chorava a estranha confusão momentânea, pois ele não sabia que batia um coração ao mesmo tempo de espera de uma resposta, resposta esta que estava nítida em seus olhos, impregnada em seu coração e idealizada na razão.
E foi quando ela reagiu que a felicidade renasceu, "porque ser feliz é questão de atitude", pensou...Viu como sua vida era bela. Orgulhou-se... Oh inocência de criança e amor sincero!
E ela se amou quando compreendeu que só dependia dela pra continuar. Estava sozinha dele, mas não estava só daqueles que a amavam de verdade. Ela estava feliz! O amor é a permanência do bem, pois quando há constância de dor duvido que aí reine amor...
Hoje não sabe muito dele, aliás, nunca soube ou o conheceu. Ela deixou de ser a segunda opção, pois não existem duas vidas. E é a primeira e única!
E ele? Por aí...
Ela está feliz...
Descobriu o que é o AMOR.

Você também pode gostar

1 Comentários

  1. Amor próprio, essencial nos dias de hoje. Acho que antes de dizer que se ama alguém ou abrir seu coração é necessário amar a si mesma porque as pessoas vão e vem, a única coisa que vai te acompanhar para sempre é você mesma. Não tem jeito. Tem que se amar!

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir

Like Us on Facebook

Youtube