Lentes de contato, adaptação e cuidados

novembro 17, 2013


Comecei a usar as lentes de contato após um mês da descoberta do ceratocone. As lentes foram feitas de acordo com a curvatura dos meus olhos e o grau de cada olho para a visão. As lentes são de gás-permeável, rígidas. A adaptação nos pacientes é mais demorada do que com as lentes gelatinosas. 

Meu primeiro contato com elas foi na clinica onde fiquei com elas durante meia hora para ver qual lente seria melhor para mim. Experimentei mais ou menos dois tipos para adequar. Após isso foi feito o pedido. 

Assim que chegaram, as recomendações foram que eu não iria ficar com as lentes o dia inteiro. No primeiro dia eu ficaria com elas por uma hora, no segundo dia por duas horas, no terceiro dia por três horas e assim aumentando uma hora a cada dia até a hora de dormir.

Confesso que a adaptação não foi muito boa. As lentes rígidas incomodam demais, nos primeiros dias meus olhos ficavam vermelhos e era um alívio total quando chegava a hora de tirá-las. Fiquei com medo de não me adaptar, caso isso acontecesse seria preciso fazer a cirurgia para colocar um anel na córnea, não sei muito bem como é isso, e em muitos casos o ceratocone volta. Não é uma cirurgia 100% satisfatória.

Mas conforme os meses foram passando, a adaptação foi bem sucedida. Só tive que voltar uma vez quando o meu olho direito que já estava em grau I começou a piorar, o olho ficava bem vermelho e muitas vezes tinha que tirar as lentes. No final era apenas uma falta de lubrificação, o olho direito ressacava muito rápido, então tive que começar a usar colírio quase toda hora.



O que foi recomendado no cuidado com as lentes e olhos foi um colírio (uso o Systane) e o líquido para limpar as lentes (uso o Boston Simplus para lentes de contato rígidas gás-permeáveis) ele limpa, tira as proteínas e conserva. Não ha problemas quando vou colocar as lentes se tiver o líquido nelas.

A única coisa que me chateia é na hora de limpá-las. Como elas são rígidas, não precisa descartá-las, só em caso de novas lentes. A manutenção diária é que após o uso, eu faço quando vou dormir, é colocar as lentes na palma da mão, uma de cada vez, e limpar a parte interna e externa com o dedo. Depois disso coloco cada uma em seu lugar na caixinha de lentes e coloco umas gotinhas do Boston por cima delas até cobri-las totalmente. Depois só vou colocá-las no dia seguinte.

Não há mistério nenhum. Mas é importante ter cuidado na hora de tirá-las e colocá-las, pois elas são pequenas e transparentes e se caírem no chão dão um trabalhão para encontrá-las. Como eu não enxergo muito bem, sempre que elas caem tenho que gritar minha mãe para me ajudar a encontrá-las hehehe.

O maior obstáculo foi a adaptação, mas algumas horas por dia conforme o médico sugerir que se faça, dá sim para conseguir ficar com elas sem nenhum problema. Cada um tem uma adaptação diferente e é sempre bom fazer o que está no seu limite.

P.S.: Não precisa  trocar as lentes, mas é recomendado que tenha uma assepsia especial com elas e com o recipiente que são armazenadas. Sempre, após colocá-las no olho, lavo bem a caixinha com água e sabão e retiro todo o sabão que fica. Também jogo água quente nela toda semana. E trocar a caixinha a cada 3 meses também ajuda contra a proliferação de bactérias. 

Você também pode gostar

3 Comentários

  1. Ainda bem que se adaptou e deu tudo certo.
    Mesmo assim ainda fiquei agoniado lendo, sou desses muito cuidadosos com qualquer coisa perto do olho. =/

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante sua explanação.. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. Olha estou passando por este inicio agora, e meu olho esquerdo que tenho o Ceratocone esta muito dificl de adaptar tem 2 dias já e o direito nem percebo a lente mais ,o esquerda tá ficando muito seco eu acho, estou usando o mesmo Kit que vc!

    ResponderExcluir

Like Us on Facebook

Youtube