Revalidando o que passou

abril 02, 2013


Voltei para pensar no que eu não fiz e para refrescar minhas têmporas rastreadas pelo estresse das circunstâncias vividas.
Voltei para dizer o que não disse para as pessoas que são a essência de minha existência, perfumes caros e únicos.
Voltei porque não acreditei ser capaz da conquista de  algo que me escorria pelos dedos a cada instante que o futuro dizia pra ter calma em minha pressa,  e pressa para ser feliz.
Voltei pra remendar os retalhos na colcha que deixei por terminar.  Pra procurar as agulhas perdidas, e espetar meus dedos  com intuito de acordar de minha vida imaginária.
Voltei pra me encontrar naqueles com quem convivia, mas não tive paciência em lidar com as tardias respostas das minhas perguntas mal elaboradas.
Voltei para revigorar as minhas forças, abastecer o combustível das lágrimas disfarçadas e sem significados, talvez imaturas pela forma que rolaram no meu rosto.
Voltei por intermédio da petulância criada pelo simbolismo do meu cotidiano monótono.
Voltei para sentir falta... Pra me sentir importante e útil.
Precisei voltar, o medo foi meu companheiro por tempos...
Voltei, não pra me identificar com os caminhos convexos que deixara, mas pra descansar minha errônea dureza escondida através de meus sorrisos forçados.
Voltei para reconhecer as pessoas que deixei  lá, talvez a distância aproxime pessoas...
Voltei... Às vezes é necessário ir até os  alicerces deixados para compreender os acontecimentos passados, não que eles sejam correntes para o futuro libertador, mas nos proporcionam reavaliar os fatos... 
As oportunidades perdidas, os amigos carentes por ajuda, e...
...Principalmente ajudar o nosso amigo interior que se chama eu próprio.
Existem retornos. Nenhum deles são regressos. São revalidações de nós pra nós... 

Eu tenho a certeza que estou de volta. Por quanto tempo?

Ainda não sei... Mas voltei para em breve retornar!



Você também pode gostar

0 Comentários

Like Us on Facebook

Youtube